Eliminatórias 2014: Japão e Irã estreiam com vitória

logo-copa-2014

vote no Plano Tático no concurso TOP Blogs

Japoneses e iranianos começaram a caminha rumo à Copa do Mundo do Brasil 2014 com vitórias. Apesar de Coreia do Norte e Indonésia terem optado pela retranca, o Irã se deu melhor e triunfou com mais facilidade. Boa leitura!

Japão sofre para derrotar Coreia do Norte

Japão x Coreia do Norte

Desfalcados de três importantes jogadores (Keisuke Honda, Kengo Nakamura e Yuto Nagatomo), os japoneses tiveram bastante dificuldade diante da sempre aplicada taticamente seleção norte-coreana, principalmente na defesa. Por muito pouco, a Coreia do Norte não saiu com um ponto da visita ao Japão, depois de seis anos, em razão da conturbada questão diplomática que envolve ambos os países (para saber mais informações, clique aqui).

O jogo basicamente foi de ataque contra defesa, com o Japão acertando a trave do goleiro norte-coreano Ri Myong Guk em cinco oportunidades. Na primeira etapa, o Japão sentiu falta de Honda, que costuma dar organização ao meio-campo, mas, mesmo assim, chegou ao gol adversário. O novato atacante Tadanari Lee, de 25 anos, em sua sexta partida pela seleção japonesa, cabeceou de costas, com a bola raspando a trave de Myong Guk.

Depois de um primeiro tempo ruim, o Japão voltou decidido a furar o bloqueio norte-coreano. Em cobrança de falta, o meia Yasuhito Endo, do Gamba Osaka (Japão), acertou mais uma vez a trave adversária, num chutaço de dentro da área, levando a torcida ao desespero. Numa pressão nos dez minutos finais, foi a vez do atacante Shinji Okazaki ter a chance de inaugurar o marcador.

Já dentro da área, um jogador cruzou para Okazaki, que se encontrava um pouco atrás do círculo do pênalti. O atacante, que atua pelo Stuttgart (Alemanha), cabeceou muito bem, no cantinho esquerdo de Myong Guk. Porém, o goleiro norte-coreano saltou e conseguiu uma excelente defesa, espalmando para escanteio!

A Coreia do Norte continuava na defesa e a posse da bola era quase toda do Japão, que só utilizava o campo de ataque para organizar as jogadas. Em outra cobrança de falta, Endo lançou para a área e Mike Havenaar – nascido no Japão –, atacante de origem holandesa e que estava fazendo a estreia pela seleção nipônica, que cabeceou fraco, para fácil defesa de Myong Guk.

A oito minutos do fim, a Coreia do Norte teve um jogador expulso. O atacante Pak Kwang-Ryong, de apenas 18 anos, do Basel (Suíça), foi bastante imprudente e dividiu a bola com Endo dando carrinho frontal. As travas da chuteira de Kwang-Ryong acertaram o braço do japonês, que ficou caído no chão. O árbitro emiriano Ali Albadwawi estava do lado do lance e tirou o vermelho direto para o norte-coreano, que havia entrado em campo aos 11 do segundo tempo.

Com um a menos, o Japão foi ainda mais ao ataque, pois precisava da vitória para dar moral na sequência das eliminatórias. Depois de muito insistir, com várias bolas na trave, o Japão finalmente foi agraciado com o golzinho da vitória.

Já aos 49 minutos do segundo tempo, o Japão colocou mais uma vez a bola na área. Livre, Yoshida Maya, do VVV Venlo (Holanda), o time que contratou o bebê (veja a história), cabeceou, dentro da pequena área, tirando de Myong Guk.

O estádio de Saitama explodiu, assim como todos os japoneses em campo, que correram para todos os lados sem saber como comemorar, inclusive. As câmeras aproveitaram para focalizar o astro norte-coreano, Jong Tae-Se, que, do banco de reservas – foi substituído aos 45 do segundo tempo, chorava de desânimo pelo gol japonês a um minuto do fim dos acréscimos.

Imagem de Amostra do You Tube

Com a vitória, o Japão chega ao 14º jogo de invencibilidade sob o comando do técnico italiano Alberto Zacheroni, no cargo desde a eliminação na Copa do Mundo de 2010, nas oitavas-de-final, para o Paraguai, nos pênaltis. Na próxima rodada, os japoneses viajam até o Uzbequistão, para enfrentar os anfitriões. Já a Coreia do Norte terá pouco tempo para se recuperar psicologicamente do baque e encarar o Tadjiquistão, em casa.

Irã despacha Indonésia com facilidade

Irã x Indonésia

Os iranianos receberam a Indonésia, no estádio de Azadi (100.000 lugares), na capital do país, Teerã, querendo começar com três pontos. E conseguiram. Porém, o primeiro tempo foi um pouco insosso, com as duas equipes falhando muito nas finalizações. Com apenas cinco minutos, a Indonésia chegou. O astro iraniano Ali Karimi, de 32 anos – passagem por Bayern de Munique (Alemanha) – foi driblar no campo de defesa e perdeu a bola.

O meia Firman Utina foi mais esperto, roubou a bola e cruzou para o veterano atacante uruguaio naturalizado indonésio, Cristian Gonzaléz, de 35 anos. Porém, o atleta chutou mal e a bola foi pela linha de fundo, sem sustos para o goleiro Seyed Rahmati No minuto seguinte, o Irã tentou responder.

O meio-campo da Indonésia ficou enrolando para tocar a bola, no que o atacante Gholam Rezaei a roubou e partiu em direção ao gol. Ele fez tabelinha com Karimi e recebeu na linha de fundo, pelo lado direito, cruzando. A bola nem chegou ao companheiro, ficando com a zaga indonésia. Com o passar do tempo, o Irã continuava tentando, mas a bem postada defesa visitante ganhava todas as disputas de bola, ao contrário do meio-campo, que proporcionava lances perigosos a favor do Irã.

O Irã tentava marcar o gol inaugural de todas as formas, por meio de chutes de fora da área, cruzamentos e infiltrações pela defesa adversária, sem sucesso. A Indonésia, por sua vez, mal atacava, se postando na defesa para garantir o 0×0 até o intervalo. O lance mais perigoso que os iranianos conseguiram aconteceu aos 30 minutos.

O zagueiro Seyed Hosseini lançou, do campo de defesa, o lateral-esquerdo Mehrdad Pooladi, que aproveitou a falha do zagueiro Zulfiki Syukur, que não conseguiu cortar e ainda tropeçou na própria passada e cruzou. A bola foi muito alta, mas o atacante Farhad Marjidi fez um malabarismo e conseguiu finalizar, mas por cima do gol.

No segundo tempo, o Irã voltou com a mesma vontade e foi recompensado. Por volta dos oito minutos, o experiente meia Javad Nekounam, de 30 anos e 119 partidas, com 28 gols pela seleção iraniana, inaugurou o placar a favor dos donos da casa. Ele é o único atleta convocado pelo técnico português Carlos Queiroz que atua na Europa, pelo Osasuña (Espanha). Em cobrança de falta, a bola foi na cabeça do camisa 6, que subiu mais do que o meia Tony Sucipto e marcou, sem chances para Markus Maulana, que ficou enrolado nas redes!

Aos 29 minutos, a jogadinha que originou o primeiro gol foi repetida. Em nova cobrança de falta, Andranik Timotian Samarani, que havia entrado quatro minutos antes, lançou na cabeça de Javad Nekounam, que se antecipou à zaga para marcar seu segundo gol na partida. 2×0 Irã! A oito minutos do fim, Ali Karimi fez grande jogada, driblando dentro da grande área, e tocou para Farhadi Majidi, que estava pronto para marcar. Porém, o zagueiro Benny Wahyudi se antecipou a tempo e impediu a Indonésia de sofrer o teceiro.

Aos 43 minutos, porém, o Irã alcançou o gol. O lateral-direito Hossein Mahini recebeu lançamento, ganhou de Benny Wahyudi na corrida, olhou e tocou para trás. Andranik Timotian Samarani vinha livre da entrada da área e pegou de primeira, forte, sem qualquer chance para Markus Maulana, que se lamentou.

 Imagem de Amostra do You Tube

Agora, com um bom saldo de gols acumulado, o Irã viaja até Doha, capital do Catar, para encarar os anfitriões, no próximo dia 6 de setembro. No mesmo dia, a Indonésia aposta todas as suas fichas numa vitória diante do Bahrein, em casa, para ainda sonhar com alguma chance psicológica de classificação. Para isso, terá de jogar no ataque, utilizando a experiência do uruguaio Cristian González.

Últimas

Assine Nossa Lista de E-mail!

* indicates required

Personagens

Internacionais

Nacionais

Vídeos

Bola na Rede