Irã empata e Ilhas Virgens Estadunidenses levam outra sacolada

logo-copa-2014

vote no Plano Tático no concurso TOP Blogs

O Irã visitou o Catar, mas conseguiu apenas um ponto em Doha, capital catariana. Já Ilhas Virgens Estadunidenses… Bem, não há muito o que fazer num grupo de atletas que atua no obscuro futebol do país ou na 3ª Divisão dos Estados Unidos. Cada gol marcado é como se fosse um título de Copa do Mundo para o país! Boa leitura!

Irã tropeça e apenas empata com Catar

Catar x Irã

Depois do empate com o Bahrein, fora de casa (veja detalhes da partida), o Catar precisava da vitória para não ficar longe da disputa pelas duas vagas do Grupo E à 3ª Fase das Eliminatórias Asiáticas. Porém, diante de um oponente mais forte, caso do Irã, o jogo seria difícil. Por esta razão, 8.125 torcedores apoiaram sua seleção in loco, no estádio Jassim Bin Hamad (15.000 lugares), em Doha, capital do país.

O primeiro grande ataque da partida foi dos donos da casa. O atacante uruguaio naturalizado catariano Andrés Quintana recebeu lançamento longo do zagueiro Lawrence Quaye, invadiu a área e chutou para longe. Ele foi atrapalhado pelo zagueiro iraniano Seyed Hosseini. Aos 13 minutos, o meia Andranik Teymourian reclamou que foi puxado dentro da área, por Hamid Khaleefa, mas o juiz da partida, o sul-coreano Choi Myung Yong não marcou!

Até a metade da primeira etapa, as duas equipes falhavam nas finalizações, facilitando o trabalho dos goleiros. Poucos lances de perigo, como o do meia Javad Nekounam, que pegou sobra da zaga e experimentou de longe, passando perto, mas com o goleiro Qasem Burham absoluto no lance.

A partida também estava bastante tensa. A dois minutos do fim da primeira etapa, o goleiro iraniano Seyed Rahmati se estranhou com Andrés Quintana. Eles chegaram a se encarar, sendo apartados pelo árbitro Choi Myung Yong. Depois, se abraçaram e ficou tudo resolvido. Os primeiros 45 minutos mostraram a falta de técnica de ambas as equipes, que não mereceram marcar.

Os técnicos de Catar (o brasileiro Sebastião Lazaroni) e Irã (o português Carlos Queiroz) devem ter conversado muito com seus atletas no intervalo. No segundo tempo, o jogo reiniciou quente e com gols. Com apenas um minuto, o zagueirão do Catar, Bilal Rajab, afastou muito mal de cabeça, com a bola sobrando para Andranik Teymourian. Ele tocou para o atacante Gholam Rezaei, que foi desarmado.

A bola se ofereceu novamente para Teymourian, que não perdeu tempo e chutou da entrada da área. A bola iria no cantinho esquerdo de Qasem Burhan, mas o goleiro do Catar fez uma boa defesa e mandou para escanteio! Na cobrança, o gol do Irã! O próprio Teymourian cobrou, na cabeça do zagueiro Hadi Aghili, que atua no Catar (Al-Arabi). Livre de marcação, no meio da área, ele só teve de finalizar com tranquilidade.

O Catar sentiu o gol e o Irã continuou em cima. Aos cinco minutos, os visitantes quase dobraram o placar. Em falha individual de um atleta catariano, Teymourian aproveitou, invadiu a área e tocou para Kaarim Ansari, livre, de frente para o goleiro. O atacante iraniano fez o favor de perder o gol, com a bola batendo nas pernas de Burhan. Na sobra, Mohammad Khalatbari ainda chutou forte, mas o zagueiro Bilal Rajab impediu novamente o segundo gol.

Só dava Irã! Em um contra-ataque mortal, Karim Ansari recebeu novamente de frente para o goleiro, livre, mas Qasem Burhan salvou a pele do Catar, numa grande defesa, erguendo a mão. A bola ainda bateu em Hamid Khaleefa e quase morreu no fundo das redes, raspando a trave esquerda! Aos dez minutos, a máxima do futebol, “quem não faz, leva”, se fez presente.

Em boa troca de passes na entrada da área, o ataque catariano envolveu a defesa do Irã, com uma ajudinha do zagueiro Hadi Aghli, que tinha aberto o placar para os visitantes. Ele tentou tirar, mas acabou dando um passe para o atacante Mohamed El Sayed, que passou por Aghli e tocou devagarzinho no canto esquerdo de Seyed Rahmati, que se esticou todo, mas não conseguiu defender! O goleirão ficou irritadíssimo com a falha de marcação!

A oito minutos do fim do tempo regulamentar, o Irã sofreu pênalti. O lateral-direito Khosro Heidari se livrou muito bem da marcação de Fahid Al Shammari e cruzou. Karim Ansari dominou, girou em cima do zagueiro Bilal Rajab e chutou, desequilibrado. Tudo porque ele foi claramente puxado pelo catariano! Pênalti… que o juiz sul-coreano não marcou! No último minuto, o veterano atacante Fahad Majid, que havia entrado no lugar da estrela Ali Karimi, perdeu a última chance de gol do jogo, cabeceando por cima do travessão.

 Imagem de Amostra do You Tube

Com o empate, que não agradou a nenhum dos lados, principalmente o Irã, que teve chances claras de marcar, a liderança do Grupo E está com os iranianos, com quatro pontos somados. O Bahrein, que derrotou a Indonésia (ver matéria do jogo – texto 2) vem em segundo, atrás apenas no saldo de gols (3 contra 2). Catar, com dois pontos ganhos, e Indonésia, com duas derrotas, completam a classificação. Na próxima rodada, em 11 de outubro de 2011, Irã e Bahrein disputam a liderança, em Teerã, capital iraniana, enquanto o Catar visita os indonésios em busca da aproximação aos líderes.

Ilhas Virgens é novamente goleada

Ilhas Virgens Estadunidenes x Antígua & Barbuda

Não tem jeito. As Ilhas Virgens Estadunidenses devem perder todas as seis partidas pelo Grupo F. Depois da goleada de 6×0 para o Haiti (veja detalhes – texto 2), agora foi a vez de Antígua & Barbuda passear. A pequena soma de 250 torcedores, só melhor que os dois jogos entre Belize e Montserrat (100 pessoas em Trinidad & Tobago, onde Montserrat mandou a partida, e 150 em Honduras, “casa” de Belize), compareceu ao estádio Paul E. Joseph (5.000 lugares).

O primeiro gol da partida, claro, foi de Antígua & Barbuda, logo aos 18 minutos, por meio do experiente zagueiro Ranjae Christian, de 33 anos. Aos 38 minutos, o atacante Peter Byers, de 26 anos, que joga pelo Los Angeles Blues (Estados Unidos) aumentou a vantagem, de pênalti, únicos dois gols da primeira etapa.

No segundo tempo, logo aos dois minutos de bola rolando, o terceiro dos visitantes, marcado pelo inglês naturalizado antiguano Justin Cochrane, de 29 anos. Aos quatro, o herói de Ilhas Virgens Estadunidenses: Jamie Browne, meia de 22 anos, marcou o primeiro gol do país na 2ª Fase de Eliminatórias da Concacaf, diminuindo para 3×1. Porém, aos seis, Byers fez seu segundo gol na partida, com outro experiente zagueiro, George Dublin, de 34 anos, marcando o quinto de Antígua & Barbuda, aos nove minutos da etapa final.

Antígua & Barbuda ainda faria mais três gols, um com Byers, seu terceiro – é vice-artilheiro das Eliminatórias Concacaf, com cinco, um a menos que Deon McCaulay, de Belize –, com o meia Randolph Burton, de 24 anos, fazendo mais dois e fechando a incrível goleada de 8×1.

Com o resultado elástico, Antígua & Barbuda lidera o Grupo F, com 100% de aproveitamento, levando vantagem diante do Haiti no saldo de gols (10 contra 8), que venceu Curaçao por 4×2 (detalhes da partida – texto 3). Na próxima rodada, 7 de outubro de 2011, o Haiti visita Ilhas Virgens Estadunidenses procurando fazer bom saldo de gols, enquanto Antígua & Barbuda também tenta golear Curaçao.

A disputa pela vaga claramente estará entre antiguanos e haitianos, com vantagem para este último, que tem jogadores mais experientes. As duas seleções se encontram nas duas rodadas finais do grupo, em 11 e 15 de novembro de 2011.

Últimas

Assine Nossa Lista de E-mail!

* indicates required

Personagens

Internacionais

Nacionais

Vídeos

Bola na Rede