Venezuela vence mais uma; Moçambique goleia Ilhas Comores

 logo-copa-2014

vote no Plano Tático no concurso TOP Blogs

Por Matheus Laboissière

Na América do Sul, a Venezuela afastou a zebra boliviana e faturou três pontos, que colocam a seleção do norte do continente entre os três primeiros. Já na África, os favoritos moçambicanos não deram nenhuma chance a Ilhas Comores e agora se concentram na Fase de Grupos. Boa leitura!

Venezuela vence Bolívia pelo placar mínimo

Venezuela x Bolívia

Entusiasmados com a boa campanha da seleção da Venezuela neste começo de eliminatórias, os torcedores da casa quase lotaram o estádio Polideportivo de Pueblo Nuevo (38.755 lugares), sediado em San Cristóbal, cidade em que o futebol é mais popular que o beisebol, por exemplo. 33.351 venezuelanos apoiaram a seleção na maioria dos 90 minutos, ajudando os anfitriões a vencerem a fraca Bolívia, mas que sempre dá trabalho quando joga fora de casa, por causa de sua retranca bem montada.

Porém, foi a Bolívia que organizou a primeira jogada ofensiva.  Chutão da defesa boliviana caiu nos pés do atacante, que tinha dois venezuelanos em sua marcação, mas a distância. Mesmo de fora da área, o ex-atleta do Cruzeiro-MG arriscou, mas o goleiro Renny Vega, de 32 anos, que joga pelo Caracas (Venezuela), conseguiu fazer a defesa, mas em dois tempos.

Aliás, um problema que pode impedir voos mais altos da Venezuela nas competições é o arqueiro. Vega, apesar de experiente, não passa confiança ao time, pois espalma bolas a todo momento, inclusive as mais fáceis. Os venezuelanos precisam de um goleiro com mais atributos.

Outra importante peça ofensiva da Bolívia era o meia Rudy Cardozo, de apenas 21 anos, do Bolívar (Bolívia). Ele infernizava a defesa venezuelana pela esquerda, organizando boas jogadas de ataque, que levavam perigo ao gol dos donos da casa. Num desses lances, Carodozo driblou o defensor Roberto Rosales, do Twente (Holanda) e chutou de fora da área e Vega, mais uma vez, soltou a bola na pequena área. Para sua sorte, um venezuelano estava perto da bola e deu um chutão para longe!

E logo aos 24 minutos, a Venezuela levou muito perigo ao goleiro boliviano Carlos Erwin Arias, de 29 anos, que joga no Córdoba (Espanha). O meia Juan Arango, grande nome da Venezuela, do Borussia Mönchengladbach (Alemanha), cobrou falta com muita precisão, obrigando Arias a salta na direita e espalmar a escanteio.

O meia Julio Alvarez, do Numancia (Espanha), fez a cobrança e a bola viajou até a cabeça do zagueiro Oswaldo Vizcarrondo, que defende o Olimpo (Argentina). Ele saltou mais alto que a impulsão de Arias, finalizando antes que o goleiro boliviano pudesse tirar a bola de soco! Bonito gol venezuelano, para delírio dos torcedores e do narrador!

Há de se lamentar a falha do atacante Marcelo Moreno, atleta do Shaktar Donetsk (Ucrânia). Ele ficou na primeira trave e chegou a subir para tirar a bola, mas não conseguiu. Quando passa do primeiro homem, é um Deus-nos-acuda na defesa, podendo acontecer de tudo, inclusive o gol adversário!

Porém, depois que conseguiu o gol, o ímpeto ofensivo da Venezuela murchou, com a equipe caindo muito de produção e deixando o jogo em banho-maria, esfriando, inclusive, a própria torcida, que parou de fazer barulho. Parece que esse é o maior problema psicológico da única que seleção da Conmebol que nunca disputou uma Copa do Mundo.

No segundo tempo, a Bolívia procurou sair um pouco, aproveitando os contra-ataque oferecidos pela Venezuela, que voltou do intervalo querendo aumentar a vantagem, para não correr riscos de um empate. Marcelo Moreno, que ficava isolado no ataque, teve algumas chances, como a ocorrida no início da etapa final.

Com mais espaço, a Venezuela também chegava, tendo várias chances de dobrar a vantagem no marcador. Numa delas, falha de um zagueiro boliviano, que queria tirar de cabeça, mas acabou jogando para trás, os anfitriões quase marcaram. A bola caiu nos pés do jovem atacante José Salomón Rondón, de 22 anos, que joga pelo Málaga (Espanha).

Já dentro da área e livre de marcação, ele foi até a linha de fundo e preferiu cruzar para o atacante Giancarlo Maldonado, do Atlante (México), que entrava pelo meio, na frente de um boliviano, em excelentes condições de balançar as redes. Porém, o passe de Rondón foi forte demais e a bola cruzou toda a área boliviana!

Pouco depois, a Bolívia teve grande chance em falta cobrada pelo meia Jhasmani Campos, de 23 anos, atleta do Bolívar. Da entrada da área, pelo lado direito, ele mandou a bola para dentro da área. Entretanto, ela foi muito forte, principalmente com o desvio de um zagueiro venezuelano, na primeira trave. A bola ia na cabeça de Marcelo Moreno, mas o desvio anterior tirou a bola do boliviano! Em outra falta cobrada por Jhasmani Campos, Renny Vega espalmou de novo, para frente, levando sorte de a bola não ter encontrado nenhum boliviano!

Imagem de Amostra do You Tube

A vitória foi muito importante para a Venezuela, que agora soma sete pontos, ficando atrás de Uruguai e Argentina apenas pelo saldo de gols (+6 dos uruguaios, +3 dos argentinos e 0 para os venezuelanos). Porém, o jogo deixou claro as limitações dos jogadores da Venezuela, que terá de melhorar muito se quiser confirmar a vaga para a Copa do Mundo de 2014. Alguns jogadores, como Arango e Rondón, que não fez boa partida, podem resolver partidas a favor da Venezuela.

Por outro lado, a Bolívia continua na sina da lanterna, com apenas um ponto em quatro partidas, quatro gols anotados, mas oito sofridos. Pior seleção da América do Sul, parece que o máximo que a Bolívia conseguirá nestas eliminatórias é tirar alguns pontos dos adversários, principalmente se utilizar a retranca. Na próxima rodada, nos dias 2 e 3 de junho de 2012, a Venezuela terá partida difícil diante do Uruguai, em Montevidéu, enquanto a Bolívia receberá o Chile, na altitude de La Paz.

Moçambique goleia Ilhas Comores

Moçambique x Ilhas Comores

A vitória magra conquistada por Moçambique em solo adversário (veja os melhores momentos – texto 3) não representou o melhor do futebol moçambicano. Jogando em casa, no estádio do Zimpeto (42.000 lugares), para público de apenas 10.000 pessoas, os Mambas Negros mostraram que há grande diferença de Moçambique para Ilhas Comores.

O primeiro gol foi marcado aos 26 minutos do primeiro tempo, pelo meia Domingues, de 28 anos, que defende as cores do Mamelodi Sundows (África do Sul). Aos 45 minutos, o atacante Jerry Sitoe, de apenas 20 anos, contratado pela Académica de Coimbra (Portugal), uma das mais tradicionais equipes lusitanas, em 2011, aumentou a vantagem de Moçambique.

No segundo tempo, aos 14 minutos, o zagueiro de nome engraçado Whiskey, de 25 anos, atleta do Ferroviário de Maputo (Moçambique), um dos maiores clubes de Moçambique, marcou o terceiro dos donos da casa. Aos 27 minutos, Ilhas Comores fez seu golzinho de honra, com o lateral-esquerdo Mohamed Youssouf, de 23 anos. Nascido na França, ele joga pela seleção desde o primeiro jogo diante de Moçambique e defende o Le Havre (França), atualmente na 2ª Divisão.

Mesmo com os 3 a 1 e a classificação garantida, Moçambique ainda arranjou tempo para balançar as redes comorenses pela quarta vez. Clésio Bauque, zagueiro de clube desconhecido. A vitória por 4 a 1 confirma a esperada vaga de Moçambique no Grupo G da 2ª Fase das Eliminatórias Africanas. Agora, os moçambicanos terão como oponentes Egito, Guiné e Zimbábue, com estreia marcada para o próximo dia 1º de junho de 2012, diante dos egípcios, fora de casa.

Eliminatórias Asiáticas | Eliminatórias Concacaf

Eliminatórias Sul Americanas | Eliminatórias Africanas

Redes Sociais

Siga o Plano Tático no Twitter: https://twitter.com/PlanoTatico

Últimas

Assine Nossa Lista de E-mail!

* indicates required

Personagens

Internacionais

Nacionais

Vídeos

Bola na Rede