Líbano derrota Irã e continua sonhando

Os libaneses precisavam de uma vitória em sua quarta apresentação pelo Grupo A da Fase Final das Eliminatórias Asiáticas para a Copa do Mundo 2014. Nos três primeiros jogos, um e empate de 1 a 1 com o Uzbequistão (veja tudo aqui – texto 1) e duas derrotas deixaram a equipe bem atrás na tabela. Coincidência ou não – e o Plano Tático aposta na segunda opção –, o meia Roda Antar, 32 anos, do Shandong Luneng (China), o mais experiente do grupo,  não esteve presente nos três primeiros jogos, por uma contusão  no joelho.

A volta do craque e capitão do time se deu exatamente diante do Irã, partida que o técnico alemão do Líbano, Theo Bücker, 64 anos, desde 2011 no comando da seleção – casado com uma libanesa, ele vive no país asiático – via como chave: “O jogo contra o Irã é realmente importante e decisivo  para nós, cujo resultado pode determinar nossa campanha nas eliminatórias. Devemos estar completamente concentrados durante a partida e nos esforçarmos ao máximo para conseguir um resultado positivo”.

Por sua vez, o técnico português Carlos Queiroz, 59 anos, desde 2011 no comando do Irã, confiava mais na vitória: “Apesar de que nosso jogo com o Líbano não será fácil, temos boas chances de vencer. Não podemos subestimar o adversário, pois eles são fortes, ainda mais quando atuam em casa. Eu vi o Líbano no amistoso contra a Austrália [derrota de 3 a 0, em casa, em 6 de setembro/2012] e tenho uma boa ideia deles. Precisamos somar três importantes pontos nesta partida, mesmo com alguns desfalques. Confio nos jogadores”, avisou.

O jogo

A casa da seleção libanesa, o estádio Camille Chamoun Sports City (47.799 lugares), estava vazia, com apenas 14 mil torcedores, prova de que o único ponto do Líbano na competição deixara os torcedores desanimados com as possibilidades de classificação para a primeira Copa do Mundo da história. Quando o apito inicial soou, ficou clara a estratégia libanesa: ficar na defesa, esperando os iranianos, e tentar fazer gols em jogadas de contra-ataque.

Aos 27 minutos, a estratégia deu certo. O atacante Mohamad Haidar, 22 anos, do Safa (Líbano), cobrou falta pela direita, mandando a bola na área. Na segunda trave, já dentro da pequena área, estava Roda Antar, que se antecipou ao marcador e cabeceou para as redes, tirando do goleiro iraniano Seyed Rahmati, 29, do Esteghlal (Irã)! O zagueiro Pejman Montazeri, 29, também do Esteghlal, ainda se esticou para tirar, mas a bola já tinha ultrapassado a linha do gol! 1 a 0 Líbano!

Após o gol, o Líbano procurou se fechar ainda mais na defesa, valorizando a posse de bola quando a tinha sob seu domínio e tentando impor uma baixa velocidade no ritmo de jogo. Assim, o Irã ficou sem muito espaço no ataque para trabalhar as jogadas, parando na forte marcação dos libaneses. No segundo tempo, o Irã teve uma grande chance, aos 15 minutos.

Em cobrança de escanteio pela esquerda, o meia Mohammad Nouri, 29 anos, do Persepolis (Irã), pegou desviou na primeira trave e finalizou de primeira, procurando o ângulo esquerdo do goleiro libanês Abbas Hassan, 27, do Norrköping (Suécia). Porém, Hassan voou na bola e se esticou ao máximo para espalmá-la a escanteio! Bela defesa!

Nos minutos finais, a figura de Abbas Hassan apareceu duas vezes. Na primeira, ele espalmou cabeçada do meia Javad Nekounam, 32 anos, do Esteghlal (Irã), à queima-roupa, mandando para escanteio. Na cobrança, o meia Ali Karimi, 33, do Persepolis, colocou a bola no meio da área, e mais uma vez Nekounam testou Hassan, numa cabeçada que veio onde ele estava, numa nova grande defesa!

Com grande exibição de Abbas Hassan, o Líbano quebrou mais uma grande tabu em sua história, de nunca ter vencido o Irã. Em cinco confrontos, cujo primeiro ocorreu em 13 de novembro de 1996 (amistoso que terminou em 0 a 0), o Líbano havia empatado um e perdido quatro.

Imagem de Amostra do You Tube

Depois do apito

O técnico Theo Bücker estava radiante: “Tivemos um bom desempenho hoje e estou feliz pelo que os jogadores mostraram na partida. Mostramos que somos capazes e vencer e também de conseguir a classificação para a Copa do Mundo, sempre com trabalho duro. Atuamos contra um forte adversário, mas acreditamos que poderíamos vencê-los e isso nos ajudou. Agora precisamos descansar e nos prepararmos bem para o próximo jogo, diante do Catar”.

Carlos Queiroz é que não estava muito satisfeito: “Parabéns para o Líbano que ganhou com o menor esforço possível. Tivemos uma grande performance, mas o Líbano teve um ótimo goleiro, que lhes deu a vitória. Apesar da derrota, ainda estamos na briga, mesmo que a situação agora esteja complicada. Jogadores importantes não jogaram e o adversário mostrou poder de luta, o que se uniu à grande exibição de seu goleiro”, lamentou.

A situação no Grupo A tem a Coreia do Sul como líder, com sete pontos em três jogos. Na sequência, vêm Irã, Catar e Líbano, todos com quatro pontos, e os libaneses têm quatro partidas disputadas, contra três dos demais. O Uzbequistão é o lanterna, com dois pontos, também em três rodadas . No próximo dia 16 de outubro de 2012, o Líbano vai folgar e acompanhará pela televisão os confrontos entre Irã e Coreia do Sul e Catar versus Uzbequistão.

Veja todos os jogos das Eliminatórias Asiáticas já disputados!

Últimas

Assine Nossa Lista de E-mail!

* indicates required

Personagens

Internacionais

Nacionais

Vídeos

Bola na Rede