Uganda vence e sonha, assim como as outras três seleções

O Grupo J das Eliminatórias Africanas é um dos mais disputados. Na quarta rodada, a seleção de Uganda, bastante criticada pelos jornalistas e população locais, conseguiu superar a Libéria, em casa. Em Luanda, capital de Angola, os donos da casa ficaram no empate com Senegal, que lidera a chave. Veja o que aconteceu de mais importante nas duas partidas.

Classificação das Eliminatórias Africanas

Uganda 1×0 Libéria

As duas equipes vinham de troca de técnicos em 2013. O escocês Bobby Williamson treinava os ugandeses desde 2008, mas após a derrota de 2 a 0 para a própria Libéria, fora de casa, em março de 2013, acabou demitido. Apenas em 21 de maio é que o técnico sérvio Micho Sredojević, conhecido como Micho, que deixara a seleção de Ruanda, foi contratado, a poucas semanas do confronto com os liberianos, em casa.

A situação dos visitantes também não era lá muito boa. O local Kaetu Smith perdeu o cargo, mesmo após o presidente da federação local diminuir sua responsabilidade pelos fracassos: “O problema de nossa seleção não é só com o treinador, é psicológico. Os atletas devem reconhecer as cores nacionais e representá-las com paixão”, disse Musa Bility .

Poucos dias depois de criticar principalmente os jogadores que atuam no exterior, Bility demitiu Kaetu, e a procura por um novo nome começou, com o apoio oficial do grande expoente do país, o ex-atacante George Weah, com a ajuda de outros ex-atletas da seleção. Acabou selecionado o liberiano Frank Wontee Nagbe, que havia trabalhado no time em 2006-07. E a intenção do novo treinador era vencer, mesmo com a lesão do atacante Francis Forkey Doe, do Selangor (Malásia), o melhor do time, na última hora.

Não saiu como os liberianos imaginavam. Num jogo tenso e decisivo, pois uma derrota deixaria qualquer equipe em situação delicada, sem depender dos próprios resultados, as redes foram balançadas apenas uma vez. E logo no começo do jogo… Aos quatro minutos, um atleta de Uganda fez boa jogada pelo lado esquerdo, trouxe a bola para o meio e tocou na diagonal…

Já dentro da área, o meia Tonny Mawejje, do ÍBV (Islândia), teve todo o tempo do mundo para olhar o posicionamento do goleiro Nathaniel Sherman, do Nimba United (Libéria), e tocar por baixo, numa falha da defesa liberiana, que não marcou Mawejje! Depois de abrir o placar, Uganda recuou e foi muito pressionada pela Libéria, que não alcançou o empate.

Após o árbitro chadiano Adam Cordier encerrar a partida, os atletas liberianos foram tirar satisfações, cobrando mais tempo de acréscimo. O zagueiro Omega Alamadine chegou a empurrar o dono do apito, mesma atitude do atacante Patrick Wleh, que tiveram de ser contidos pelo policiamento ugandês, que protegeu a arbitragem.

O capitão liberiano, o meia Anthony Laffor, do Mamelodi Sundowns (África do Sul), lamentou as chances perdidas e parabenizou o goleiro adversário pelas boas defesas. Pelo lado de Uganda, os jogadores foram congratulados pelo presidente da federação local, Lawrence Mulindwa, que concedeu R$ 49.200 (80 milhões de xelins) a ser divididos entre atletas e comissão técnica – até o ministro da Educação e Esporte doou 24 milhões de xelins (R$ 20 mil). Porém, Micho, que jurou amor ao país, disse que se deve manter os pés no chão e conseguir a vaga na fase final, o que seria seu melhor resultado como treinador.

Imagem de Amostra do You Tube

Local: estádio Nacional Mandela (45.202 lugares)

Público: 8.400 torcedores

Gol: Tonny Mawejje/UGA (4’|1º)

Imagem de Amostra do You Tube

Angola 1×1 Senegal

Com grandes chances de atingir a fase final, angolanos e senegaleses sabiam da importância do confronto. Os donos da casa tinham uma baixa, o atacante Manucho Gonçalves, do Valadollid (Espanha), por opção do técnico uruguaio Gustavo Ferrín. Do lado senegalês, o técnico francês Alain Giresse chegou em janeiro de 2013, com a incumbência de deixar para trás a péssima campanha na Copa Africana de Nações 2013, com três derrotas e lanterna em seu grupo.

Os jogadores, a maioria atuante no futebol francês, estavam assustados com o mau rendimento do time e precisavam de novos ares para não falharem também nas eliminatórias 2014. Giresse passou a morar em Dacar, capital senegalesa, o que foi proveitoso para o trabalho. Mas foi Angola que começou a partida pressionando…

Após cobrança de escanteio, o zagueiro Dani Massununga, do 1º de Agosto (Angola), apareceu livre na segunda trave e cabeceou, mas a bola tocou a rede pelo lado de fora. Senegal tentava responder, mas não levava muito perigo. E em outro escanteio, quase os donos da casa balançam as redes, mas a cabeçada do meia Pirolito, do Interclube (Luanda), foi por cima do gol, numa péssima saída do goleiro Bouna Coundoul, do Enosis Neon Paralimni (Chipre), que nada achou.

Quando os angolanos pareciam mais perto do gol, os visitantes fizeram. Depois de cruzamento da esquerda, a bola chegou para o bom atacante Papiss Cissé, do Newcastle United (Inglaterra), que acertou o alvo de cabeça, superando zagueiro e goleiro adversários! No segundo tempo, não demorou para Angola empatar. Também em cruzamento da esquerda, a bola estava mais para o goleiro Bouna Coundoul, mas o atacante Guilherme Afonso, do FC Vaduz (Liechtenstein), se antecipou ao adversário e cabecebou para as redes!

Senegal quase marcou em seguida, mas o goleiro Landú, do Recreativo do Libolo (Angola), fez milagre, salvando os angolanos. Os donos da casa também tinham chances, mas disperdiçavam. Até mesmo Papiss Cissé perdeu gol incrível, ao chutar por cima do gol cara-a-cara com Landú. Num outro lance, ele chegou a marcar, mas a arbitragem alegou impedimento e anulou o gol, acertadamente.

No final da partida, os visitantes estiveram mais perto da vitória, mas as defesas de Landú e a má pontaria de Senegal mantiveram o placar inalterado até o fim. Uma vitória poderia deixar qualquer equipe bem perto da fase final… André Macanga, ex-jogador de Angola, lamentou a falta de posicionamento ofensivo dos anfitriões, além dos erros de passe e ausência de Manucho Gonçalves.

Local: estádio 11 de novembro (50 mil lugares)

Público: 40 mil torcedores

Gols: Papiss Cissé/SEN (23’|1º) e Guilherme Afonso/ANG (6’|2º)

Imagem de Amostra do You Tube

Classificação

Com seis pontos, Senegal lidera o Grupo J, mas tem os adversários colados. Com cinco pontos, Uganda ainda nutre esperança de alcançar a fase final, assim como Angola e Libéria, ambos com quatro pontos. Qualquer um dos times pode vencer a chave e a próxima rodada definirá quem vai brigar pela vaga na rodada final, em setembro de 2013.

Últimas

Assine Nossa Lista de E-mail!

* indicates required

Personagens

Internacionais

Nacionais

Vídeos

Bola na Rede