Irã na Copa do Mundo 2014 [Perfil]

Outras seleções

Grupo A: Brasil Croácia | Camarões |  México

Grupo B: Espanha | Holanda | Chile | Austrália

Grupo C: Colômbia | Grécia | Costa do Marfim | Japão

Grupo D: Uruguai | Costa Rica | Inglaterra | Itália

Grupo E: Suiça | Equador | França | Honduras

Grupo F: Argentina | Bósnia | Nigéria

Grupo G: Alemanha | Portugal | Gana | Estados Unidos

Grupo H: Bélgica | Argélia | Rússia | Coreia do Sul

A campanha

Os iranianos não tiveram muitas dificuldades nos primeiros desafios das Eliminatórias Asiáticas, pois mediram força com seleções fracas, como Catar, Bahrein e Indonésia. Com 12 pontos e invicto (3v, 3e, 0d), o Irã avançou para a fase final. E aí as dificuldades começaram… Além da Coreia do Sul, que não vivia bom momento, os persas encararam Uzbequistão, Líbano e Catar no Grupo A.

A campanha foi cheia de altos e baixos e com muito sufoco. Para se ter uma ideia, o Irã empatou com o Catar (0 a 0, em casa) e perdeu para Líbano (1 a 0, fora) e Uzbequistão (1 a 0, em casa), quando a equipe foi ultrapassada pelo adversário, que somou oito pontos, contra sete dos iranianos. A duas rodadas para o fim, Coreia do Sul e Uzbequistão dividiam a liderança com 11 pontos, enquanto o Irã vinha um ponto atrás.

Com duas vitórias nas rodadas finais, os iranianos acumularam 16 pontos e ficaram com a primeira posição, dois à frente de sul-coreanos e uzbeques. O Irã alcançou a vaga direta à Copa do Mundo 2014 graças às duas vitórias diante da Coreia do Sul.

A tabela da Copa do Mundo 2014

Frases importantes

Carlos Queiroz, técnico, 61 anos

“Eu quero jogadores que sirvam o time, não que sejam servidos pelo time. É assim que criamos um elenco com ótima auto-estima. Claro, fizemos milhões de iranianos felizes com a classificação para a Copa do Mundo, mas ninguém acedita que possamos vencer o torneio. Devemos aceitar que estamos longe das grandes potências e que nosso objetivo no Brasil é ser melhor do que atualmente”

“Os iranianos amam futebol, com alma e sangue. Não há necessidade de promover o futebol por aqui. Mas não podemos competir sem experiência internacional e a única coisa aqui similar a futebol profissional é o salário que o jogador recebe no fim do mês. Meu comprometimento com os iranianos é fazê-los felizes e este é o nosso momento de dizer ao mundo que o Irã é um país que ama futebol.  Nossa missão é atingir as oitavas de final, algo que o Irã nunca conseguiu. Todos nos queriam em suas chaves e cabe a nós mostrar que eles estavam errados ao desejar isso”

Curiosidade nº1: o elenco vem sofrendo muito com a situação econômica do país. As sanções internacionais por causa do programa nuclear local impediram que a federação tivesse US$ 300 mil dólares vindos de patrocinadores no exterior. A desorganização também foi latente: a seleção iria passar um período de treinamento em Portugal, mas cancelou a viagem por razões financeiras. O time também não pôde atuar em casa, pois outras seleções não queriam jogar em solo iraniano, por causa da tensão política. O jeito foi treinar duas semanas na Áustria, mas com material de treino de baixa qualidade, que motivou pedido inusitado do presidente da federação local: lavar os uniformes com água fria para não encolhê-los e não trocar de camisa durante a Copa do Mundo, tudo para economizar!

Curiosidade nº2: a federação iraniana deseja manter Carlos Queiroz até a Copa do Mundo 2018, mas a renovação de contrato está praticamente descartada – a entidade terá de pagar US$ 4,5 milhões por ano à comissão técnica. O bom técnico português está sendo especulado na África do Sul após a Copa do Mundo e até já há rumores de quem será o novo técnico. Lotthar Matthäus é um dos nomes, mas ele desmentiu qualquer conversa. O croata Zlatko Kranjcar, que treina o Sepahan desde 2011, falou que deseja comandar a seleção.

A seleção

Estreia oficial: Turquia 6×1 Irã (28 maio/1950)

Maior goleada a favor: Irã 19×0 Guam (24 novembro/2000)

Maior goleada contra: Coreia do Sul 5×0 Irã (28 maio/1958) e Turquia 6×1 Irã (28 maio/1950)

Participações em Copa do Mundo: 4 (1978, 1998, 2006 e 2014)

Melhor resultado: fase de grupos (1978, 1998 e 2006)

Jogos em Mundiais: 9 partidas (1v, 2e, 6d), com 6 gols marcados e 18 sofridos

Os adversários

Argentina: 1derrota| 1×1 [pen.1x4] (22 março/1977)

Bósnia: 4 vitórias e 1 empate | último: 3×2 (12 agosto/2009)

Nigéria: 1 derrota | 0×1 (28 janeiro/1998)

O time

Média de idade: 27,9 anos

Os caseiros: Rahman Ahmadi (Sepahan), Khosro Heydari (Esteghlal), Ehsan Hajsafi (Sepahan), Jalal Hosseini (Persepolis), Amir Hossein Sadeghi (Esteghlal), Reza Haghighi (Persepolis), Karim Ansarifard (Tractor Sazi), Ghasem Haddadifar (Zob Ahan), Hossein Mahini (Persepolis), Andranik Teymourian (Esteghlal), Ahmad Alenemeh (Naft Tehran), Bakhtiar Rahmani (Foolad), Hashem Beikzadeh (Esteghlal) e Mehrdad Puladi (Persepolis) – 14 jogados, ou 60,8% do elenco

Países dos “estrangeiros”: Inglaterra (2), Kuwait (1), Espanha (1), Holanda (1), Portugal (1), Catar (1), Alemanha (1) e Canadá (1)

Jogos em Copas: Andranik Teymourian (3), Javad Nekounam (2) e Masoud Shojaei (1)

Gols em Copas: ninguém

Mais convocações: Javad Nekounam (140 partidas)

Menos convocações: Bakhtiar Rahmani e Daniel Davari (quatro partidas)

Times que mais revelaram: Foolad (2) e Paykan (2)

Jogos em 2014

03/03 | Irã 3×2 Kuwait

05/03 | Irã 1×2 Guiné

18/05 | Irã 0×0 Bielorrússia

26/05 | Montenegro 0×0 Irã

30/05 | Irã 1×1 Angola

08/06 | Trinidad & Tobago 0×2 Irã

Últimas

Assine Nossa Lista de E-mail!

* indicates required

Personagens

Internacionais

Nacionais

Vídeos

Bola na Rede