Copa da Ásia 2015 começa no próximo dia 9 de janeiro [Curiosidades]

2015 está apenas começando, mas o futebol de seleções já está a todo vapor. Além da Copa Africana de Nações, que terá o pontapé inicial no próximo dia 17 de janeiro, as 16 melhores seleções da Ásia vão começar a brigar pelo título continental em 9 de janeiro. Evidentemente, o Plano Tático abordará algumas das equipes do torneio asiático, numa série de reportagens que se inicia hoje. Neste primeiro texto, o momento é de mostrar curiosidades da competição, dos elencos das seleções, além de informações importantes. Boa leitura!

A sede é na Austrália

Em 5 de janeiro de 2011, antes mesmo de a Copa da Ásia daquele ano começar, a Confederação Asiática anunciou o país que organizaria a edição de 2015. A Austrália, único membro da entidade a se candidatar, foi aprovada com sobras. É bom lembrar que a seleção da Austrália é recente na Ásia, resultado da mudança da confederação da Oceania para a asiática em 2006.

No ano seguinte, os australianos estrearam na Copa da Ásia, vindos das eliminatórias, fazendo campanha regular. A Austrália pereceu nas quartas de final, o primeiro mata-mata, perdendo nos pênaltis (4 a 3) para o Japão, que seria o quarto colocado naquela edição. Quatro anos mais tarde, a Austrália fez campanha bem melhor, quando alcançou a disputa do título. Porém, os japoneses superaram os Socceroos mais uma vez, vencendo por 1 a 0 na prorrogação.

Estádios. A federação australiana escolheu cinco cidades para sediar o torneio, todas localizadas no nordeste do território nacional. A capital Canberra está representada, assim como Sydney, Newcastle, Melbourne e Brisbane, a localidade mais afastada, a 782 km da sede mais perto, Newcaslte.

O maior estádio a ser utilizado é o Stadium Australia (84 mil lugares), em Sydney, a cidade mais importante do país, tanto em termos de estrutura como no futebol, já que é sede do Sydney FC, time que teve Del Piero, e Western Sydney Wanderers, atual campeão da Liga dos Campeões da Ásia.

Já o mais acanhado fica exatamente em Canberra, o Canberra Stadium, de 25.011 lugares. A capital da Austrália não tem nenhum time na A League, o torneio profissional do país, sendo casa de dois times da segunda divisão (Canberra City e Canberra FC). O jogo de abertura será entre os anfitriões e o Kuwait, em Melbourne, enquanto a final está marcada para 31 de janeiro, em Sydney. Veja as chaves, com o Ranking FIFA de cada seleção entre parênteses.

Grupo A. Austrália (100º), Coreia do Sul (69º), Omã (93º) e Kuwait (124º)

Grupo B. Uzbequistão (74º), Arábia Saudita (102º), China (97º) e Coreia do Norte (150º)

Grupo C. Irã (51º), Emirados Árabes (81º), Catar (95º) e Bahrein (122º)

Grupo D. Japão (54º), Jordânia (81º), Iraque (103º) e Palestina (113º)

Resumo da Fase de Grupos

Grupo A | Grupo B | Grupo C | Grupo D

Quartas de final

China 0×2 Austrália | Coreia do Sul 2×0 Uzbequistão

Japão 1×1 [4x5 pen.] Emirados Árabes | Irã 3×3 [6x7 pen.] Iraque

Semifinais

Coreia do Sul 2×0 Iraque | Austrália x Emirados Árabes Unidos

Disputa do terceiro lugar

Iraque 2×3 Emirados Árabes Unidos

Transmissão. 18 países e regiões do planeta irão transmitir as partidas da Copa da Ásia 2015. Claro, vários países asiáticos passarão os jogos do torneio, mesmo aqueles cujas seleções não alcançaram classificação, casos de Hong Kong, Malásia e Filipinas, por exemplo. Claro, o Brasil estará presente, com transmissões agendadas para o SPORTV.

Curiosidades dos elencos

Todas as 16 seleções já confirmaram os 23 jogadores que vão defender as respectivas pátrias na Copa da Ásia 2015. E o Plano Tático aproveita para mostrar algumas curiosidades bem interessantes…

Seleções caseiras. Como não poderia deixar de ocorrer, alguns países têm muita dificuldade em exportar seus talentos ao exterior. Por isso, quatro deles vão jogar a Copa da Ásia 2015 com todos os atletas atuando nas respectivas ligas nacionais. São eles China, Catar, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos. Menção especial a Omã, na qual apenas o goleiro Ali Al Habsi joga no exterior, com a camisa do Wigan, da segunda divisão da Inglaterra, mas que já atuou na Premier League.

Seleções estrangeiras. O oposto também pode ser observado. E a Coreia do Sul lidera o quesito, com apenas cinco jogadores atuando na liga local. Dois deles são experientes em se tratando de seleção: o goleiro Jung Sung-ryong (29 anos e 64 convocações) e o lateral Cha Du-ri (34 anos e 70 convocações). A Austrália vem a seguir, com sete jogadores atuando em casa.

Países da Ásia. É verdade que a Arábia Saudita vem muito mal ultimamente e tem todos os jogadores atuando no torneio nacional. Num primeiro momento, pode parecer ruim, mas não é verdade. Entre os clubes asiáticos que têm jogadores na Copa da Ásia 2015, a Arábia Saudita lidera, com 35 atletas, seguida do Catar (33 jogadores), dos Emirados Árabes Unidos (29) e da China (28). Austrália e Coreia do Sul são os que têm menos clubes, sete – levando em conta que um dos agraciados é o Wellington Phoenix, time da Nova Zelândia que joga na A League.

Outros países. No que tange às nações dos outros continentes, a Alemanha aparece na liderança, com 13 jogadores, mas lá figuram apenas australianos, sul-coreanos e japoneses, os países mais fortes do continente. A Inglaterra vem a seguir, com nove. O único jogador que atua na África é o goleiro da Palestina, Ramzi Saleh, 34 anos, que defende o Smouha, 15º colocado dentre 20 times na atual liga egípcia. Outra curiosidade é o atacante norte-coreano Pak Kwang-ryong, 22, que defende o FC Vaduz (Liechtenstein), atualmente o sétimo dentre dez equipes da elite da Suiça, já que o minúsculo país europeu não tem liga nacional. São 314 jogadores na Ásia, 51 na Europa, dois na Concacaf (ambos nos Estados Unidos) e um na África. América do Sul e Oceania não contam com nenhum atleta.

Clubes. A seleção do Kuwait é formada em sua maioria por jogadores do Al Qadsia, time que faz sucesso na AFC Cup, espécie de segunda divisão continental – a equipe foi vice-campeã em 2013 e levou a taça no ano seguinte. Portanto, o Al Qadsia é o clube mais representado na Copa da Ásia, com 11 jogadores, todos kuwaitianos. A seguir vêm Al Hilal (Arábia Saudita), Al Shorta (Iraque) e Al Wehdat (Jordânia), todos com nove.

Jogadores com 100 ou mais convocações. 15 jogadores já alcançaram 100 jogos ou mais com as camisas de suas seleções. Veja a lista respeitando-se a ordem do maior para o menor número de partidas.

1º Yasuhito Endo, 34 anos, JAP = 148

2º Javad Nekounam, 34 anos, IRA = 144

3º Bader Al Mutawa, 29 anos, KUW = 141

4º Younis Mahmoud, 31 anos, IRQ = 131

5º Saud Kariri, 34 anos, ARA = 125

6º Amad Al Hosni, 30 anos, OMA = 115

7º Hassan Al Gheilani, 34 anos, OMA = 113

8º Timur Kapadze, 33 anos, UZB = 111

9º Bilal Mohammed, 28 anos, CAT = 108

10º Ahmed Al Mahaijri, 29 anos, OMA = 108

11º Amer Shafi, 32 anos, JOR = 108

12º Ramzi Saleh, 34 anos, PAL = 105

13º Server Djeparov, 32 anos, UZB = 102

14º Ali Al Habsi, 33 anos, OMA = 100

15º Nawaf Al Khaldi, 33 anos, KUW = 100

Promessas. Cinco jogadores merecem ter o status de promessa na Copa da Ásia 2015. Conheça um pouco mais sobre cada um deles…

Son Heung-min (Coreia do Sul). Aos 22 anos e com 34 jogos pela seleção, o jovem atacante se profissionalizou no Hamburgo (Alemanha), depois de ficar dois anos nas divisões de base. Foi comprado pelo Bayer Leverkusen por 8,8 milhões de libras e é titular absoluto na Bundesliga, com 16 partidas e cinco gols. Ele esteve na Copa do Mundo 2014.

Alireza Jahanbakhsh (Irã). Com apenas 21 anos, o ponta defendeu times iranianos até 2013, quando assinou contrato com o NEC (Holanda), que caiu para a segunda divisão em 2013/14. Num nível mais baixo, o atleta é titular absoluto, jogando todas as 18 partidas, com sete gols. São 11 convocações para a seleção principal e o desejo de Manchester United e Chelsea. O jogador ainda entrou em campo nos três jogos do Irã no Mundial 2014.

Yoshinori Muto (Japão). O meia tem 22 anos e só vestiu a camisa do FC Tokyo. Depois da Copa do Mundo 2014, o jogador vem sendo utilizado na seleção pelo técnico mexicano Javier Aguirre e finaliza muito de fora da área. Na temporada 2014, encerrada com título do Gamba Osaka, o FC Tokyo foi o nono colocado e Muto participou de 33 das 34 partidas, 27 como titular, com 13 gols anotados.

Tommy Oar (Austrália). Revelado no Brisbane Roar em 2008, o atacante de 23 anos ficou dois anos na Austrália, até ter a oportunidade de fazer um teste no Utrecht (Holanda), sendo aprovado. Desde então no time europeu, Oar quase jogou o Mundial 2010, mas figurou no time quatro anos mais tarde, entrando nos três jogos da Austrália. O atleta participou de 12 partidas do Utrecht na atual liga holandesa, sem gols anotados. Nos dois últimos anos ele foi titular absoluto.

Ahmed Yasin (Iraque). Nascido em Bagdá, o lateral-esquerdo, ponta direita e atacante, sua principal função, deixou o país com a família aos três anos, rumo à Suécia. Lá, ele defendeu o BK Forward, da terceira divisão, até ser contratado pelo Örebro, da elite, em 2011. Aos 23 anos, Yasin tem 30 convocações pela seleção principal, tendo chance com Zico, e chegou a ser chamado para a seleção sub-17 da Suécia, mas não atuou. Com a camisa do Örebro, o jogador participou de 29 partidas, 26 como titular, com dois gols anotados.

Últimas

Assine Nossa Lista de E-mail!

* indicates required

Personagens

Internacionais

Nacionais

Vídeos

Bola na Rede