Copa do Mundo 2018: Irã e Japão tropeçam, Guam é a grande surpresa

Nos últimos dias 11 e 16 de junho, as 40 seleções que ainda sonham com vaga na Copa do Mundo 2018 e na Copa da Ásia 2019 (são oito grupos de cinco participantes) entraram em campo para a segunda rodada da segunda fase das eliminatórias. Austrália, Coreia do Sul e China confirmaram o favoritismo e somaram três pontos, embora nenhum dos três tenha conseguido grandes resultados. Por outro lado, o Japão decepcionou os quase 60 mil torcedores que quase lotaram o estádio Saitama 2002 ao ficar no empate sem gols diante da inexpressiva seleção de Cingapura, em casa, pelo Grupo E.

Na chave D, o Irã estreou fora de casa diante do Turcomenistão e fez seu gol logo aos quatro minutos de bola rolando, mas sofreu o empate do adversário. Veja o que de mais importante aconteceu nas eliminatórias asiáticas para a Copa do Mundo 2018. Clique aqui para acompanhar a classificação completa. Os jogos da terceira e quarta rodadas serão disputados nos dias 3 e 8 de setembro de 2015.

Resumo 1ª Rodada

Os grandes da Ásia

Quirguistão 1×2 Austrália

Os australianos estão conseguindo aos poucos trazer novos talentos para ser lapidados pelos atletas mais experientes, como o atacante Tim Cahill, destaque do país na Copa do Mundo 2014. Mile Jedinak (Crystal Palace) e Tommy Oar (dispensado do Utrecht/Holanda) fizeram os gols dos Socceroos diante do Quirguistão, que só diminuiu nos acréscimos. Não entraram no jogo os jovens rivais Chris Ikonomidis (Lazio) e Daniel de Silva (Roma), nascido na Austrália apesar do nome abrasileirado. Num grupo no qual a Jordânia é o principal adversário, será fácil para os australianos.

Imagem de Amostra do You Tube

Butão 0×6 China

É claro que a surpresa da fase preliminar vai sofrer muitas goleadas na sequência do qualificatório para a Copa do Mundo 2018. A fraca seleção de Butão já havia levado de 7 a 0 de Hong Kong e sofreu mais seis gols da China, desta vez em casa. Comandados pelo capitão Zheng Zhi, do Guangzhou Evergrande, os chineses só marcaram o primeiro gol aos 47 minutos da etapa inicial, mas depois Yang Xu, companheiro de Diego Tardelli no Shandong Luneng, e Yu Dabao balançaram as redes. Quem passou em branco foi Gao Lin, sempre importante para o Guangzhou Evergrande. Bom resultado na grama sintética.

Imagem de Amostra do You Tube

Turcomenistão 1×1 Irã

Não que o Turcomenistão seja uma das piores seleções da Ásia, o que não é verdade. Mas esperava-se uma vitória dos persas, até porque o único atleta turcomeno a jogar no exterior é o meia Ruslan Mingazow, no Baumit Jablonec (República Checa). É certo que o Irã, que teve polêmica recente envolvendo o técnico português Carlos Queiroz, esteve desfalcado de atletas importantes, como o atacante Karim Asarifard (Osasuna), e dos meias Reza Khalatbari (Sepahan/Irã) e Ashkan Dejagah (Al Arabi/Catar), que estiveram no Mundial 2014, sem contar a aposentadoria de Javad Nekounam, 34 anos (Osasuna). Com uma equipe mais nova, comandada por Andranik Teymourian, os iranianos precisaram de quatro minutos para abrir o placar, mas justamente Ruslan Mingazow empatou para os turcomenos. O Irã vai passar à terceira fase, mas não pode tropeçar desse jeito.

Imagem de Amostra do You Tube

Japão 0×0 Cingapura

Um grupo para conseguir 100% dos pontos. Este era o objetivo dos japoneses, que vão enfrentar Cingapura, Afeganistão, Síria e Camboja, seleções consideradas muito fracas. Mesmo jogando em casa, o Japão pressionou muito, mas não conseguiu passar pelos cingapurianos. O adversário só finalizou no gol uma vez, contra 18 dos japoneses, que dominaram as ações, mas contaram com a bela partida do goleiro Izwan Mahbud, que fez grandes defesas. Shinji Kagawa foi muito mal, enquanto Keisuke Honda acertou o travessão. O técnico bósnio Vahid Halilhodzic disse que nunca viu nada igual na carreira, pois é claro que todos esperavam uma goleada. Detalhe que Cingapura tem a base no Lions XII, time local que comanda o futebol da Malásia, o que pelo menos resulta em entrosamento.

Imagem de Amostra do You Tube

Mianmar 0×2 Coreia do Sul

Outra grande seleção que ficou devendo foi a Coreia do Sul, mas pelo menos houve vitória de 2 a 0 sobre Mianmar, em jogo disputado na Tailândia – os birmaneses foram punidos por atos de violência da torcida nas eliminatórias 2014. Os sul-coreanos fizeram valer as jogadas de bola parada, com fechamento do placar no segundo tempo, em linda cobrança de falta do meia Son Heung-min, do Bayer Leverkusen. A equipe convocada é bastante jovem, com apenas três atletas na faixa dos 30 anos, opção do treinador alemão Uli Stelike diante de lesões e serviço militar obrigatório. A Coreia do Sul precisa mesmo se renovar e até lá pode ter alguma dificuldade na chave, que tem Líbano, Kuwait e Laos.

Imagem de Amostra do You Tube

As surpresas

Malásia 0×6 Palestina

No Grupo A, a principal força é a Arábia Saudita, ao lado dos Emirados Árabes Unidos. Só que por enquanto quem surpreende é a Palestina, que vendeu caro a derrota de 3 a 2 para os sauditas na primeira rodada (com gol salvador aos 49 minutos do segundo tempo) e humilhou a fraca Malásia, na casa do adversário.

Com apenas 3 mil torcedores num estádio que comporta 87 mil pessoas, a Malásia levou três gols no primeiro tempo e a Palestina aproveitou a falta de reação dos donos da casa para fazer mais três. Só não foi a maior goleada da história da Palestina porque a seleção já venceu Guam por 11 a 0 (1º de abril/2006), Ilhas Marianas do Norte por 9 a 0 (4 de março/2013), Taiwan de 8 a 0 (18 de fevereiro/2004) e Iêmen do Norte por 7 a 0 (4 de abril/1966).

Imagem de Amostra do You Tube

Por sua vez, a Malásia, que tem toda a seleção atuando na obscura liga nacional e empatou em casa com Timor Leste na primeira rodada, adiciona mais uma goleada ao grupo das piores derrotas, que tem outros sete resultados por seis gols de diferença. Os palestinos têm utilizado alguns jogadores com ascendência atuantes na Europa e quem sabe não aparece uma zebra?

Guam 2×1 Índia

O empate do Irã é ainda mais esquisito depois de o Turcomenistão ter pedido fora de casa para a seleção de Guam, que não é mais o saco de pancadas da Ásia como no passado, quando levou de 19 a 0 do Irã e de 17 a 0 do Tadjiquistão. Jogando em casa por duas vezes, a seleção guamesa passou por turcomenos e indianos, liderando a chave com seis pontos. Detalhe que o trabalho do técnico inglês Gary White vem dando resultado: ele convidou à seleção jogadores de fora com parentesco, deixando para trás o passado de atletas apenas na liga de Guam para trazer jogadores que atuam nos Estados Unidos. Apenas um jogador defende time do território. É incrível o momento de Guam!

Imagem de Amostra do You Tube

Iêmen 0×2 Filipinas

Os filipinos começam a engatinhar no futebol internacional, com liga local incipiente, mas também utilizando-se de jogadores nascidos no exterior aptos a defender a seleção. Um deles é o atacante Javier Patiño, espanhol de 27 anos que joga no Henan Jianye (China): ele fez um dos gols da grande vitória de 2 a 1 sobre o Bahrein, em casa, e é o mais importante do time, que tem apenas dois jogadores acima dos 30 anos. Ótimo trabalho do técnico alemão naturalizado estadunidense Thomas Dooley, que deixa Filipinas na liderança, ao lado da Coreia do Norte.

Imagem de Amostra do You Tube

Coreia do Norte 4×2 Uzbequistão

Os norte-coreanos são sempre imprevisíveis, até em razão da obscuridade que ronda o futebol local. A tendência era que a Coreia do Norte perdesse do favorito Uzbequistão, que ficou perto de jogar a repescagem das eliminatórias 2014 com o Uruguai (perdeu para a Jordânia nos pênaltis). Só que os uzbeques estiveram desfalcados da dupla dinâmica Timur Kapadze (119 jogos) e Server Djeparov (107), restando um time com apenas três atletas acima dos 30 anos. Detalhe que a Coreia do Norte chegou a fazer 4 a 0, com 42 mil torcedores no estádio. 100% para os norte-coreanos.

Imagem de Amostra do You Tube

Curtas

- No Grupo A, Timor Leste vem se aproveitando muito bem do “talento brasileiro” na seleção, inclusive do técnico Fábio Magrão, vice-campeão da Copa Conmebol 1999 com o CSA – perdeu a final para o Talleres. Além de ter empatado com a Malásia no último lance do jogo, a incipiente seleção asiática perdeu de apenas 1 a 0 para os Emirados Árabes Unidos, sensação da Copa da Ásia 2015, com gol aos 35 minutos do segundo tempo.

- É impressionante, mas a seleção da Índia é mesmo fraca. São duas derrotas na segunda fase das eliminatórias asiáticas para a Copa do Mundo 2018, para Omã e Guam, ambos por 2 a 1. Quem se salva é apenas o atacante Sunil Chhteri, 30 anos, que já esteve no Sporting Lisboa B e marcou os dois gols indianos até aqui. É o artilheiro das eliminatórias asiáticas, com quatro gols, contando os dois que marcou na fase preliminar diante do Nepal. Até quando a Índia será saco de pancadas, mesmo com população na casa do bilhão?

Últimas

Assine Nossa Lista de E-mail!

* indicates required

Personagens

Internacionais

Nacionais

Vídeos

Bola na Rede