Ferroviário reestreia no Campeonato Cearense 2017: pela manutenção na elite

O tradicional Ferroviário Atlético Clube é o terceiro maior vencedor do Campeonato Cearense com nove títulos, atrás apenas dos rivais Ceará (43 taças) e Fortaleza (41 títulos). Participantes de todas as edições da elite estadual, o Ferroviário venceu o torneio pela última vez em 1995 e desde então vem perdendo força.

Em 2012, o clube se salvou da segunda divisão nos tribunais, mas em 2014 não teve jeito: queda inédita consumada, e o Ferroviário passou a enfrentar nova realidade, que durou dois anos. O acesso ao Campeonato Cearense 2017 veio fora dos gramados (veja detalhes ao longo do texto), mas é dentro das quatro linhas que o Ferroviário deseja pelo menos e manter na elite de 2018.

O primeiro passo foi dado no último domingo, 15 de janeiro, quando o Ferroviário abriu o estadual 2017 diante do rival Fortaleza, empatando em 2 a 2. Entraram em campo jogadores experientes como o volante Erandir, 34 anos (Fortaleza, Atlético Paranaense, está no Ferroviário desde 2015) e o atacante Leandro Netto, 37 (Moto Club/MA, Sampaio Corrêa/MA, Henan Jianye/China e vários times portugueses), além do atacante Valdeci, 21 anos, que marcou dez gols na 2ª divisão estadual pelo Ferroviário e foi emprestado para a Portuguesa/SP na Série C, voltando para o estadual.

A igualdade no placar foi importante, mas o Ferroviário não se ilude e continua firme em seu objetivo. A presença do experiente técnico Marcelo Vilar, 55 anos (campeão da Série D 2013 com o Botafogo/PB), que já trabalhou no Ferroviário em 1999 é importante, até porque o time teve pouco tempo de preparação em razão das confusões na 2ª divisão…

Imagem de Amostra do You Tube

Ferroviário no fundo do poço

O Ferroviário começou a temporada 2014 com goleada de 7 a 2 sobre o Crato, mas esse resultado não foi a tônica da campanha no Campeonato Cearense daquele ano. Mesmo com a presença do veterano Iarley (aquele mesmo ex-Inter, Paysandu), que fez cinco gols, o Ferroviário somou apenas 18 pontos nas 16 rodadas (ida e volta, com 5v, 3e, 8d) e terminou na nona posição, a três pontos de se salvar da degola.

A derrota de 1 a 0 para o Quixadá, fora de casa, consumou o primeiro rebaixamento em nível estadual da história do Ferroviário, que passou a conviver com nova realidade. E a primeira temporada na segunda divisão não foi fácil… O time teve 18 rodadas e o melhor momento foi entre a quinta e oitava rodadas, quando assumiu a quarta posição – só dois subiam.

Com o tempo, porém, o Ferroviário caiu para o quinto lugar e na última rodada ainda desceu mais um degrau, terminando a competição na sexta posição com 21 pontos (6v, 3e, 9d), 17 atrás das vagas de acesso. O jeito foi tentar a promoção em 2016…

A partir de fevereiro do ano passado, o tradicional time cearense começou bem a campanha e liderou a segunda divisão nas duas primeiras rodadas e após o oitavo e nono jogos. Quase na metade do campeonato, o Horizonte assumiu a ponta e caminhou tranquilamente para a elite de 2017. Já o Ferroviário dependia apenas de si a quatro partidas do fim: bastava vencer três jogos (Itapajé e Floresta, fora, além de Horizonte e Nova Russas em casa) para voltar ao Campeonato Cearense.

A polêmica

O problema é que a equipe não conseguiu os resultados de que precisava e passou a disputar a segunda vaga de acesso com o Alto Santo. Na penúltima rodada, o adversário visitou o Nova Russas, mas o jogo não ocorreu. A partida foi levada para Sobral, mas o mandante só foi avisado da mudança na sexta-feira à tarde, não tendo tempo hábil para avisar à Secretaria de Esportes sobralense e pagar o aluguel do local (expediente terminou às 14h). As taxas de arbitragem e outras despesas da partida foram pagas pelo Nova Russas, mas quando os times chegaram ao estádio, ele estava fechado! A federação, então, declarou o Alto Santo vencedor por WO (já havia feito isso em outro jogo), que somou três pontos e passou a ter vantagem na disputa com o Ferroviário (41 contra 40 pontos), faltando uma rodada.

Claro, o Tubarão da Barra não gostou nada e entrou na Justiça Desportiva (o advogado Mário Bittencourt, aquele do Fluminense, foi contratado), que analisou se os WO´s eram a ação correta, já que a FIFA determina essa punição apenas quando um dos times não comparece – no caso do Nova Russas, as duas equipes estavam lá na hora da partida. O TJD/CE deferiu a ação do Ferroviário e deixou as partidas sub-júdice enquanto investigava a situação – foram nove WO’s na segunda divisão de 2016.

Com o fim da competição, restou a espera pela decisão da Justiça. Boa notícia para o Ferroviário foi a suspensão do WO do Nova Russas: em 16 de junho, 15 dias após a última rodada, o TJD/CE anulou o WO e ordenou que ocorresse uma nova partida entre Nova Russas e Altos em até 20 dias. Ficou acertado que a peleja seria disputada em 3 de julho, mas o mandante alegou que não tinha jogadores para colocar em campo e a  PARTIDA FOI CANCELADA DE NOVO!

Assim, a federação passou a responsabilidade do que fazer para o TJD/CE, que excluiu o Nova Russas do campeonato e aplicou multa de R$ 500. Assim, o Alto Santo levou os três pontos e subiu para a elite ao lado do Horizonte. A final ocorreria em 4 de agosto, mas o Ferroviário entrou com liminar e suspendeu a partida. Oito dias depois, o STJD revogou a decisão e liberou a federação para marcar a decisão do estadual.

A reviravolta

Alto Santo e Horizonte entraram em campo, empatando sem gols. Nos pênaltis, vitória do Alto Santo por 7 a 6 e taça de campeão recebida no arbitral da 1ª divisão de 2017. Parecia que a 2ª divisão do Campeonato Cearense terminara, parecia. Dois meses depois, o TJD/CE deferiu pedido de revisão de outro WO dado ao Alto Santo, contra o Barbalha, que não tinha dinheiro (R$ 3,2 mil) para pagar as taxas de arbitragem, mas compareceu ao jogo. Claro, a final também estava sub-júdice, já que seria influenciada por esse resultado.

Em 25 de outubro (o torneio deveria ter terminado em 29 de maio!), o TJD/CE cancelou a partida e ordenou a remarcação do jogo. O problema é que o Barbalha já nem tinha jogadores e por isso não apareceu para o jogo remarcado para dia 2 de novembro! Com isso, o Alto Santo somou três pontos do WO e o resultado da final foi homologado.

Depois de seis meses de profunda bagunça, a segunda divisão do Campeonato Cearense havia acabado e o Ferroviário continuava no torneio, tendo de disputá-lo pela terceira vez seguida. Entretanto, a situação mudou de novo, mas por outro motivo…

Em 15 de dezembro, a federação excluiu o Guarany de Sobral, quarto colocado na elite de 2016, do campeonato de 2017 por não ter apresentado no prazo as Certidões Negativas de Débito (CND), uma exigência do fair play financeiro, o que daria vaga ao Ferrim. Só que o time sobralense recorreu da decisão e o TJD/CE concedeu liminar a favor de seu retorno à elite.

Assim, o Ferroviário, que já estava pensando no elenco para o Campeonato Cearense 2017, estaria de volta à segunda divisão. Nesse meio termo, o Alto Santo desistiu de jogar a primeira divisão por causa do estádio Coliseu, que não tem refletores, uma exigência na elite.

Em 28 de dezembro de 2016, a federação cearense aprovou o Ferroviário na Série A do estadual e a desistência do Alto Santo! O Floresta, quarto colocado da 2ª divisão, ainda ameaçou entrar na Justiça alegando que a documentação do Ferrim estava irregular, mas não deu em nada. Assim, a menos de 20 dias do início da temporada, o Campeonato Cearense 2017 finalmente foi confirmado. Que depois de tanta confusão, o futebol do estado não volte a protagonizar um episódio desses, não é mesmo?

Informações

- O Ferroviário atrai mídia nessa volta à elite cearense e por isso os patrocinadores apareceram. O Shopping Prohospital apoiou a equipe em 2016 e renovou a parceria, além de arcar com os vencimentos do técnico Marcelo Vilar. Outras empresas que estão com o Ferrim em 2017 são Água Azul, a loja de roupas Handara (renovou o acordo), S1 Gráfica, Michel Aviamentos (o dono é torcedor do clube) e a dupla sertaneja Luís Marcelo e Gabriel. Os ônibus de luxo da Ellegance Viagens ainda transportarão o elenco para treinos, jogos e viagens, com a empresa sendo responsável pelo translado dos atletas.

Foto: Eudes Brasil

- O Ferroviário ainda teve uma mudança interna no fim de 2016. Duas semanas após a confirmação da vaga na elite e a menos de um mês da estreia, o Conselho Deliberativo afastou o presidente Nilton Ramos por 120 dias – foi pedido seu comparecimento para dar explicações, mas ele não cumpriu o prazo duas vezes; acabou renunciando. O vice assumiu e mudou o treinador, saindo Fernando Filho, contratado pelo antigo mandatário, e entrando Vilar.

- O Ferroviário terá um sul-coreano no elenco. É Jin Ho Park, 19 anos, que veio por meio da parceria com o Group Miami Invest, fechada por Nilton Ramos. Outra peça curiosa é o lateral-esquerdo Jeanderson, que jogou no Sampaio Corrêa em 2016 e foi campeão da Major League Soccer 2015 com o Portland Timbers (fez três jogos, um como titular).

- O regulamento do Campeonato Cearense 2017 é curioso. Na primeira fase, os dez times se enfrentam em turno único e os oito melhores avançam às quartas de final, em jogos de ida e volta. Nas semifinais, as equipes se enfrentam em melhor de três partidas, com mando de campo para a de melhor campanha no segundo e terceiro embates. Se o mesmo time vencer os dois primeiros jogos, o terceiro não será realizado. Se houver empate nos três, os pênaltis definem o classificado. A final segue o mesmo modelo da fase anterior. O campeão e o vice ficam com as vagas na Copa do Brasil e na Copa do Nordeste em 2018, enquanto os dois melhores exceto Ceará e Fortaleza jogam a Série D 2018.

Últimas

Assine Nossa Lista de E-mail!

* indicates required

Personagens

Internacionais

Nacionais

Vídeos

Bola na Rede