Copa do Mundo 2018: México destoa, o restante tem briga acirrada [Concacaf]

Parecia que os Estados Unidos iriam cumprir seu papel de brigar pelo título das eliminatórias para a Copa do Mundo 2018 com o México. Mas a equipe apenas empatou com o Panamá fora de casa e viu o rival abrir seis pontos de diferença, distância difícil de tirar a seis jogos do fim. Por isso, não se pode dizer que os EUA estejam na Copa do Mundo 2018, pois a disputa com Costa Rica, Honduras, Panamá e quem sabe Trinidad & Tobago será acirrada. Só o México parece estar bem próximo da Rússia. Veja os gols e todos os detalhes da rodada!

Tudo sobre as Eliminatórias 2018

Kluivert em Curaçao | 1ª fase | Canadá | 2ª fase

Legado de Kluivert | Carlos Ruíz

3ª fase. Jogos de ida | Jogos de volta

4ª fase. 1ª rodada | 2ª rodada | 3ª rodada

4ª rodada | 5ª rodada | 6ª rodada

Fase Final. 1ª rodada | 2ª rodada

3ª rodada

Panamá segura EUA

É evidente que os Estados Unidos são melhores que o Panamá, mas isso não se traduziu na partida. Num jogo muito igual, em que cada um teve 50% de posse de bola e poucos passes corretos (169 a 164 a favor dos EUA), os panamenhos começaram chamando a responsabilidade de buscar a vitória e até criavam oportunidades, mas finalizaram muito mal, o que foi a tônica nos 90 minutos: nove chutes, sete para fora.

Os estadunidenses chegavam bem menos, mas também não eram eficientes nem levavam perigo ao adversário. A primeira chance clara ocorreu apenas aos 32 minutos, quando Alberto Quintero recebeu lançamento na esquerda, dominou aproveitando o cálculo errado de um adversário, que passou direto, e invadiu a área.

Quintero ainda driblou outro estadunidense ao mesmo tempo em que trouxe a bola em diagonal para ganhar ângulo de chute, mas finalizou em cima de Tim Howard, que espalmou do jeito que dava, rebote que um zagueiro afastou. Parecia que dificilmente alguém balançaria as redes, mas foi no fim do primeiro tempo que ocorreram dois gols…

Aos 40 minutos, um lançamento do campo de defesa ficou mais para o zagueiro Felipe Baloy, 36 anos, capitão panamenho e ex-Grêmio e Atlético Paranaense. A bola era dele, mas o zagueirão se atrapalhou ao tentar um giro em local perigoso, entregando-a nos pés de Christian Pulisic, a sensação estadunidense.

Ele se livrou de Baloy, caminhou dentro da área com liberdade e tirou outro defensor panamenho do lance antes de rolar para o veterano Clint Dempesey, que bateu de primeira, tirando do goleiro! Os Estados Unidos nada tinham feito para merecer o gol, mas acabaram aproveitando vacilo do Panamá. Perdendo, os donos da casa não tiveram outra alternativa senão buscar o ataque e conseguiram algo improvável.

Apenas quatro minutos depois, o Panamá cobrou lateral dentro da área, os EUA não conseguiram afastar o perigo e a bola sobrou na pequena área para Gabriel Gómez, que finalizou de primeira tirando do goleiro! Na etapa final, o jogo foi mais emocionante, com os EUA perdendo chance aos cinco minutos, em chute de Pulisic rebatido na hora certa por Baloy, que se esticou para mandar a bola a escanteio.

Os visitantes sabiam que o triunfo era primordial para eles ficarem numa boa posição nas eliminatórias da Copa do Mundo 2018, mas o Panamá também precisava da vitória a fim de abrir vantagem importante na terceira posição, que lhe dá vaga direta. Assim, as duas equipes visaram ao ataque e fizeram um jogo aberto.

Aos 14 minutos, Luis Tejada chutou com liberdade de dentro da área após toque de cabeça de um colega, mas TIm Howard estava bem perto dele e fechou o ângulo a tempo. Os erros de finalização dos dois lados esfriaram a partida e ninguém conseguiu a vitória.

Imagem de Amostra do You Tube

Honduras e Costa Rica iguais

As duas seleções estiveram na Copa 2014 e precisavam da vitória para ficar dentro da zona de classificação para a Copa do Mundo 2018. Atuando em casa com o apoio de 17 mil torcedores, os hondurenhos tiveram mais volume de jogo, com 58% da posse de bola e quase 100 passes a mais que os costa-riquenhos (213 contra 118).

No primeiro tempo, as seleções pouco finalizaram com perigo, já que o jogo estava muito disputado no meio e nas intermediárias. Quem assustou primeiro foi a Costa Rica: em cobrança de falta aos 31 minutos, Kendall Waston ganhou do zagueiro e apareceu livre na área para cabecear, mas a bola passou por cima do travessão.

Por volta dos 34 minutos, Honduras surpreendeu… Num passe por elevação na intermediária ofensiva, a bola se ofereceu para um jogador dos anfitriões dentro da área, ele matou no peito, mas foi atrapalhado por dois adversários. O goleiro deveria ter saído, mas demorou a reagir e Anthony Lozano apareceu a poucos passos da linha do gol para empurrar a bola às redes!

Na etapa final, o jogo continuou na mesma toada. Com poucas finalizações no alvo (Honduras teve sete chutes, mas cinco foram para fora, enquanto a Costa Rica errou três das quatro tentativas), o jeito que os visitantes encontraram para empatar foi na bola parada. No segundo escanteio seguido aos 24 minutos, Christian Bolaños colocou a bola na pequena área, na cabeça de Waston, que subiu com liberdade para balançar as redes!

Imagem de Amostra do You Tube

México espanta zebra

Mesmo atuando fora de casa, o México não se deixou intimidar diante de Trinidad & Tobago e quase 15 mil torcedores na capital Port of Spain. Os visitantes tiveram mais posse de bola (56% contra 44%), mais passes trocados e bem mais finalizações. O problema foi exatamente neste último fundamento.

Mesmo rondando a área trinitina, os mexicanos erraram muito nos chutes a gol (das 13 tentativas, oito foram para fora e uma na trave) e por isso não fizeram um placar mais elástico. A primeira chance veio num cruzamento para a área que um jogador cabeceou em cima do goleiro após ganhar de três adversários.

Com o passar do tempo, Trinidad & Tobago foi ganhando confiança para atacar e passou a criar, mas esbarrou no mesmo problema – quatro chutes nos 90 minutos, metade para fora. Antes do intervalo, Chicharito Hernández recebeu cruzamento na primeira trave e cabeceou tirando do goleiro, mas a bola foi longe do gol, saindo pela linha lateral.

Joevin Jones, uma das peças mais importantes no ataque trinitino, chegou a balançar as redes, mas o árbitro invalidou o lance, marcando impedimento. No início da etapa final, o México deu o recado de que aumentaria as ações ofensivas ao acertar uma bola na trave em lindo chute de Héctor Herrera. O goleiro já estava batido no lance.

Aos 11 minutos, não teve jeito. Escanteio na direita, bola alçada na área e Diego Reyes subiu no meio do bolo de jogadores para desviar de cabeça às redes, sem chance para o goleiro! Ele veio de trás e ninguém percebeu sua movimentação.

Trinidad & Tobago não estava mal na partida, mas sentiu o gol e o México teve oportunidades para ampliar, parando novamente nos erros de finalização. A impressão que fica é que os mexicanos estão jogando para o gasto, já que os adversários são bem inferiores.

Imagem de Amostra do You Tube

Últimas

Assine Nossa Lista de E-mail!

* indicates required

Personagens

Internacionais

Nacionais

Vídeos

Bola na Rede