Tag - futebol sul matogrossense - Plano Tático

Abuda, AQUELE ex-Timão, foi jogar no Misto/MS, mas teve de ir embora

Quem não se lembra de Adaílson Pereira Coelho, nome verdadeiro do outrora famoso Abuda? O atacante foi revelado na base do Corinthians e participou do time campeão da Copa São Paulo 2004 (era companheiro de Bobô, Nilton e Rosinei e fez cinco gols), mas um ano antes já havia levantado a taça do Mundial sub-17 de 2003 – fez quatro gols no torneio.

Porém, ele nunca deu certo no time profissional, chegou a ser mandado de volta aos juniores mesmo após ter feito três gols em cinco jogos na Série A 2005, mas mesmo assim acabou assinando com o Wolfsburg (Alemanha). Poderia ser uma boa chance para Abuda no futebol europeu, mas o jovem atacante de fato participou de apenas oito minutos do empate sem gols com o Arminia Bielefeld, na 14ª rodada da Bundesliga.

Abuda foi emprestado para o Germinal Beerschot (Bélgica), mas rescindiu com o time para assinar com o Vasco da Gama, pelo qual fez só um gol em 11 partidas, cinco como titular. Sem destaque, se mudou para Florianópolis a fim de defender o Avaí, mas acabou emprestado para outros times, indo relativamente bem no Marília/SP (sete gols em 11 jogos, dez como titular) e no Brasiliense/DF (quatro gols em 14 partidas, três começando na reserva), ambos em 2009.

A partir daí, Abuda conviveu com várias dispensas seguidas, do Tours, da segunda divisão da França, do Sampaio Corrêa/MA, do Moto Club/MA (Abuda é maranhense de São Luís), do Oeste/SP e até do Gifu, time da terceira divisão japonesa, quando foi companheiro de Kerlon Foquinha, atualmente no Villa Nova/MG.

Com 27 anos, Abuda passou a defender a Roma Apucarana/PR em 2013 e dois anos depois estava assinando com o Fernandópolis, da quarta divisão de São Paulo, para fazer a festa dos torcedores locais ao lado dos atacantes veteranos Müller e Alex Dias e do lateral-direito Maurinho. Só que Abuda nem chegou a estrear e deixou a equipe.

Imagem de Amostra do You Tube

A curta passagem da Abuda no Misto/MS

2016 começou e Abuda, agora com 29 anos, recebeu a enésima chance na carreira. O Misto, da cidade de Três Lagoas, interior do Mato Grosso do Sul (favor não confundir com o tradicional Mixto, de Mato Grosso), que se salvou do rebaixamento no estadual 2015 por quatro pontos (somou 11 e viu o CENE sucumbir à segunda divisão no Grupo A), decidiu apostar nos serviços do atacante.

Abuda e outros 26 jogadores começaram a treinar na pré-temporada sob o comando do técnico Paulo Mulê em 20 de janeiro, 25 dias antes da estreia no Campeonato Sul-Matogrossense, contra o Operário em 14 de fevereiro. Porém, foram apenas dois dias de atividades e um grande problema acometeu o Misto…

17 jogadores e parte da comissão técnica se reuniram e foram até a Delegacia de Polícia Civil para denunciar o clube sul-matogrossense, que segundo eles não deu estadia, alimentação e nem pagamento. Claro, o presidente do Misto, Jamiro Rodrigues, justificou:

“Nunca conversei com eles. Esse grupo veio para Três Lagoas para uma avaliação de três dias no fim de semana, trazido por um empresário. Ele deveria ter feito o depósito de R$ 150 mil referente à primeira parcela do patrocínio até o dia 15, mas não o fez e eu dispensei todos, mas eles quiseram ficar por conta própria na cidade. A responsabilidade é do empresário e não do Misto, pois não há vínculo entre eles e o clube”, disse em entrevista ao globoesporte.

Portanto, a 19 dias do início do estadual, o Misto ainda dispensou o técnico Paulo Mulê e ficou sem jogadores e comissão técnica! Sete novos atletas apareceram no clube nos dias seguintes e o Misto se salvou graças à desistência do Itaporã, campeão da segunda divisão estadual de 2015, que não conseguiu angariar patrocinadores.

A maioria dos atletas e o técnico Nei César, que já estavam fazendo pré-temporada, serão remanejados para o Misto, que terá os salários dos jogadores pagos por Tony Montalvão, empresário que era o presidente do Itaporã e esperava o apoio de empresas da cidade para custear a disputa na elite, o que não aconteceu – ele deixou o cargo no Itaporã em novembro/2015 e foi para o Sete de Dourados, outro time sul-matogrossense.

Parecia impossível, mas parece que o Misto vai mesmo disputar o estadual 2016, caso não haja mais reviravoltas. Por outro lado, Abuda sonhava em ter mais uma oportunidade de mostrar serviço, mas acabou dispensado e ainda não tem time. Ser desligado antes de começar o campeonato é o fundo do poço para Abuda, mesmo que ele não tenha tido culpa.

Imagem de Amostra do You Tube

As crises que o Misto enfrentou recentemente

Em 2013, o Misto passou da primeira fase do estadual com tranquilidade, mas sucumbiu nas quartas de final diante do Ivinhema. O começo de campeonato foi complicado, com o técnico João Francisco Marçal sendo o primeiro demitido da temporada após dois empates e uma derrota. Em setembro daquele ano, houve troca inédita na presidência, saindo Jamiro Rodrigues (é o atual mandatário) e entrando André Milton Pereira.

Porém, em janeiro de 2014 já havia polêmica: o novo presidente pensou em renunciar ao cargo, mas foi convencido por jogadores e outros dirigentes a permanecer. No fim do mês, o Ministério Público Federal executou o Misto por descumprimento de acordo trabalhista de 2011, cobrando R$ 89 mil em multas, mas André Milton Pereira afirmou que os débitos já haviam sido pagos.

Dentro de campo, o técnico Edu Miranda foi dispensado após uma vitória e duas derrotas no estadual de 2014, assim como três atletas – o time ficou três pontos acima da degola, mas se classificou para as quartas de final, caindo diante do Naviraiense após dois empates. A temporada 2015 começou bem, com anúncio de ajuda da prefeitura de R$ 200 mil, mas aí o presidente saiu e em seu lugar veio o vice, Antônio Carlos Teixeira. O técnico Elói Kruger, experiente no futebol local, foi anunciado no fim de novembro/2014, mas desistiu de assumir o time, que chamou Pedro Caçapa.

O Misto começou a treinar, mas parou em 13 de janeiro por rumores de desistência do clube por dificuldades financeiras (havia R$ 260 ml em caixa, mas as despesas do estadual alcançariam R$ 417 mil). O Misto mudou de presidente (assumiu Jamiro Rodrigues) e entrou em campo, mas dispensou os atletas de fora da cidade e fez peneiras para contratar jogadores de Três Lagoas – o técnico chegou a ser dispensado, voltou e acabou pedindo demissão para assumir o Sete de Dourados em fevereiro. Crise e Misto parecem andar de mãos dadas há algum tempo, não é mesmo?

Informações

- O Misto de Três Lagoas foi fundado em 1º de janeiro de 1992 (24 anos) e nunca foi campeão sul-matogrossense na elite, sendo o melhor resultado o vice de 2008, perdendo a final para o Ivinhema – foi campeão da segunda divisão de 2011.

Imagem de Amostra do You Tube

- A data oficial de fundação do Misto é a citada acima, mas a criação ocorreu em 1º de maio de 1987. Num torneio de futebol do Dia dos Trabalhadores, os atletas que se inscreveram numa equipe eram de bairros diferentes e, por isso, a mesária registrou o time como Misto, que acabou sendo o campeão.

- Apesar de todas as dificuldades, em fevereiro de 2015 o Misto lançou aplicativo de celular com informações sobre o clube. Gratuito, o app permitia acessar calendário de jogos, ficha técnica de jogadores e informações gerais sobre o clube. Pena que, num acesso do Plano Tático em 5 de fevereiro de 2016, não há mais o aplicativo.

Mais antigas

Personagens

Internacionais

Nacionais

Vídeos

Bola na Rede