Arquivos Reportagens - Plano Tático

Série D 2017: veja os 7 times que foram rebaixados nos estaduais

Faltam alguns dias para a bola rolar na Série D, a última – e mais legal – divisão do Campeonato Brasileiro. A partir dos dias 21 e 22 de maio (domingo e segunda-feira), os 68 times vão se enfrentar em jogos de ida e volta dentro dos grupos de quatro participantes.

Como se sabe, é muito difícil apontar os favoritos ao acesso, mesmo com clubes tradicionais na disputa, como Portuguesa e América de Natal. São apenas seis rodadas na 1ª etapa e três fases de mata-mata, onde tudo pode acontecer. Porém, sete equipes aparecem como azarões na Série D 2017 por não terem aguentado nem mesmo os estaduais.

Isso é resultado da mudança de regra da CBF para a Série D, pois os times que terminaram nas melhores posições nos torneios locais só jogam a competição nacional do ano seguinte. Por um lado vale a pena, pois fica mais fácil atrair jogadores por causa do calendário garantido o ano todo. Por outro, a realidade pode ser outra no ano seguinte e quem for mal no estadual tem pouco tempo para se reinventar…

Os rebaixados na Série D 2017

São Francisco (Pará)

Série D. Genus/RO, Rio Branco/AC e São Raimundo/RR (Grupo A3)

Estadual. Sete pontos em 10 jogos (1v, 2e, 7d)

O São Francisco estava animado em 2017. Além do estadual e da Série D, a equipe disputou a Copa do Brasil, passou pelo Botafogo/PB na 1ª fase e sucumbiu diante do Cruzeiro no Mineirão por 6 a 0. A situação no Campeonato Paraense nunca esteve fácil…

Com dez rodadas, o São Francisco chegou a quatro derrotas e uma vitória nas primeiras cinco partidas, ocupando a lanterna do Grupo B e a única vaga de rebaixamento da chave. A vitória diante do Pinheirense (caiu no outro grupo) nem chegou a animar, já que o São Francisco somou apenas sete pontos contra 15 do Castanhal, o primeiro fora da degola.

Claro, o São Francisco precisou se reforçar visando à Série D. O técnico Walter Lima continua, pois não foi ele que montou o elenco do estadual – chegou na 2ª rodada. A diretoria dispensou nove jogadores e contratou outros 19, incluindo cinco aprovados numa peneira. O elenco sente que subir à Série C compensaria a queda no estadual, mas a tarefa é inglória.

————————————————————

Guarany de Sobral (Ceará)

Série D. Maranhão, Potiguar de Mossoró/RN e River/PI (Grupo A5)

Estadual. Seis pontos em nove jogos (1v, 3e, 5d)

Campeão da Série D em 2010, o Guarany de Sobral voltou ao torneio após a queda em 2012 e não se classificou em campo para a edição de 2017. Só que o Uniclinic desistiu da vaga e a CBF confirmou o Guarany de Sobral, o time seguinte na classificação do estadual 2016. A notícia foi oficialmente dada em 5 de abril, um mês depois do vexamoso rebaixamento…

A campanha no Campeonato Cearense foi reflexo da bagunça política no Guarany de Sobral, cujo presidente renunciou, assim como seu substituto. O time chegou a ser rebaixado, mas o TJD/CE reverteu a decisão.

O Guarany de Sobral teve nove partidas na 1ª fase, mas só venceu o lanterna Itapipoca. Até as últimas rodadas, a equipe sonhava com uma vaga nas quartas de final, mas as derrotas de goleada para Guarani de Juazeiro (5 a 2) e Horizonte (4 a 0) puseram tudo a perder.

Ainda teve a saída conturbada do atacante Luiz Carlos, 35, dispensado após fazer gestos a favor da torcida do Ceará – tinha feito três gols em quatro jogos. Com o elenco liberado após o estadual, o Guarany de Sobral buscou apoio na prefeitura, a volta dos emprestados e algumas contratações, completando o elenco com a base. Parece pouco para ir bem na Série D 2017.

————————————————————

Atlético Pernambucano

Série D . Campinense/PB, Fluminense de Feira/BA e Itabaiana/SE (Grupo A8)

Estadual. Três empates e dez derrotas em 13 jogos (0v, 3e, 10d)

Em seu terceiro ano na elite do Campeonato Pernambucano, o Atlético foi um desastre. Com um elenco sub-23 e tendo trocado de técnico na pré-temporada, o time não conseguiu vencer Salgueiro e Belo Jardim na 1ª fase, terminando com três empates e três derrotas em seis jogos. No Hexagonal do Rebaixamento, a campanha, pasme-se, piorou…

Em dez jogos, o Atlético Pernambucano foi derrotado em dez oportunidades, sendo matematicamente rebaixado na sétima rodada. Foram só cinco gols a favor e 20 contra e sem vitórias desde 5 de março de 2016. Soa irresponsável o clube ter aceito jogar a Série D 2017 no lugar do Serra Talhada, que desistiu. Se continuar sem vencer na 1ª fase do torneio nacional, o time pode alcançar 22 partidas sem vitória, uma a menos que o recorde do famoso Íbis.

————————————————————

Audax (São Paulo)

Série D. Itumbiara/GO, Portuguesa/RJ e URT/MG (Grupo A12)

Estadual. Nove pontos em 12 jogos (2v, 3e, 7d)

Um ano depois do surpreendente vice-campeonato paulista, o Grêmio Osasco Audax sucumbiu no estadual. Pudera, somente quatro jogadores considerados titulares permaneceram, assim como o técnico Fernando Diniz, que nem de longe repetiu a eficiência de 2016.

As únicas três vitórias na temporada foram contra São Paulo (4 a 2 na estreia) e Ituano (3 a 0) – o Audax ainda eliminou por 1 a 0 América de Natal na Copa do Brasil. Ao longo das 12 rodadas do Grupo D, o time ficou na lanterna desde a terceira, aparecendo na zona de rebaixamento nas últimas quatro partidas. A distância de sete pontos para o São Bento, o primeiro fora da degola, mostra como a campanha do Audax foi ruim. Detalhe que o time do folclórico presidente Vampeta ainda vai jogar a Copa Paulista, dividindo atenções com a Série D. Difícil acreditar em acesso, ainda mais precisando reconstruir o elenco, não é mesmo?

————————————————————

São Bernardo (São Paulo)

Série D. Foz do Iguaçu/PR, Inter de Lages/SC e Novo Hamburgo/RS (Grupo A16)

Estadual. Dez pontos em 12 jogos (3v, 1e, 8d)

O São Bernardo também não foi bem no Campeonato Paulista. Vencer apenas Audax, São Bento e Santo André foi muito pouco para os comandados do técnico português Sérgio Vieira, que chegou a estar classificado na 2ª das 12 rodadas do Grupo A, mas caiu para a lanterna da chave nas últimas três partidas e entrou na zona de rebaixamento a duas rodadas do fim.

Para piorar, o São Bernardo perdeu atletas conhecidos para a Série D, já que é normal a diminuição do orçamento do estadual para o torneio nacional. O Atlético Goianiense levou o lateral Eduardo e o atacante Walterson, enquanto o Londrina buscou o meia Patrick Vieira, ex-Palmeiras, o Tombense contratou Anderson Conceição (subiu com o América-MG para a Série A em 2015) e o Botafogo/SP anunciou Edno, ex-Portuguesa e Remo. Com um time totalmente modificado e adversários chatos, o São Bernardo terá dificuldades.

————————————————————

Metropolitano (Santa Catarina)

Série D. Ituano/SP, PSTC/PR e São José/RS (Grupo A17)

Estadual. 18 pontos em 18 jogos (4v, 6e, 8d)

Time que mais jogou a Série D (será a oitava edição), o Metropolitano enfrentou problemas no estadual. Muitas lesões e suspensões atrapalharam o técnico Mauro Ovelha, já que as opções eram poucas. Com isso, o time somou apenas oito pontos no 1º turno, melhor que Joinville e Almirante Barroso.

No returno, o Joinville melhorou e jogou o Metropolitano para a zona da degola. A equipe somou dez pontos nas nove rodadas, no sétimo lugar, mas na soma dos turnos ficou com 18, um a menos que Atlético Tubarão, Inter de Lages e Figueirense. Na reta final, alguns atletas foram flagrados em baladas e a torcida se revoltou.

A queda foi consumada na última partida, mesmo o Metropolitano tendo jogadores experientes como Max Carrasco e Mariano Trípodi. A esperança do time de Blumenau é que os cinco jovens emprestados pelo Joinville rendam na Série D.

————————————————————

PSTC (Paraná)

Série D. Ituano/SP, Metropolitano/SC e São José/RS (Grupo A17)

Estadual. Oito pontos em 11 jogos (2v, 2e, 7d)

Que temporada triste para o desconhecido PSTC. Em sua segunda participação na elite estadual, o time acabou sendo rebaixado, justamente no ano em que estreou na Copa do Brasil, enfrentando o São Paulo sob todos os holofotes – levou de 4 a 2.

A campanha começou com empates sofridos no último minuto diante do Atlético Paranaense e Toledo. O PSTC estava animado com a vitória diante do Ypiranga de Erechim/RS na Copa do Brasil, mas depois só venceu Cascavel e J. Malucelli em casa no estadual, perdendo as outras partidas fora. O PSTC ficou a dois gols de saldo de sair da degola (o Toledo se salvou), o que com certeza diminui o entusiasmo para a Série D. O time também perdeu jogadores, como o atacante Carlos Henrique, que foi para o Londrina.

Informações

– Há dois times que estão na 2ª divisão de seus estados em 2016. O XV de Piracicaba joga a Série D por causa do título da Copa Paulista 2016, mas escapou do rebaixamento para a Série A3 por dois pontos. O time trouxe 11 reforços, destaques para o atacante Frontini, o zagueiro Vinicius Simon e o volante Robston.

– Já o Operário Ferroviário, campeão estadual em 2015 e rebaixado em 2016, ainda está jogando a 2ª divisão do Campeonato Paranaense. O time não perdeu na 1ª fase, levou só um gol, mas julgamentos sobre escalação irregular de outros times forçaram o adiamento do Quadrangular Semifinal, que dá uma vaga na elite por grupo. O time mantém o ritmo com jogos-treino e vai ter que se dividir entre Série D e estadual.

Mais antigas

Personagens

Internacionais

Nacionais

Vídeos

Bola na Rede